Pastoral do Dízimo

A responsabilidade pela organização do dízimo cabe a pastoral do dízimo. Para que haja organização é preciso muita evangelização. A equipe da pastoral do dízimo tem essa missão: conscientizar os paroquianos sobre sua responsabilidade para com a comunidade onde vivem e da qual fazem parte. O objetivo primeiro da equipe da  pastoral é: conscientizar os fiéis sobre a dimensão bíblica, teológica e espiritual do dízimo; mostrar que o dízimo é um ato de  fé, de esperança e de caridade; testemunhar  a alegria de uma vida  agradecida a Deus através da oferta mensal do dízimo; apresentar o dízimo como condição central da experiência de comunhão e participação, e, portanto, da experiência de ser e de agir como igreja. O papel preponderante da equipe da pastoral do dízimo é o de ser conscientizadora. Mas há tarefas a serem executadas: tarefas de cadastro de dizimistas, preencher o relatório do dízimo ao final das missas, redação e remessa de correspondências diversas aos dizimistas, confecções de cartazes, participações eventuais nas celebrações comemorativas e muitas outras circunstâncias, que podem surgir. Não se pode esquecer um fator muito importante que é a prestação de contas regulares e periódicas, das arrecadações do dízimo. Você que sente vontade de se inscrever como dizimista, procure a equipe de plantão durante as missas ou na secretaria da paróquia, fazendo o seu cadastro. E você que suspendeu temporariamente a sua contribuição, renove a sua aliança de gratidão a Deus. Olha para frente e recomece a partir deste mês. 

O dízimo para quê?

Nosso dízimo, aquele pedacinho de  vida de cada um de nós ofertado a Deus, vai permitir que ele se manifeste através da igreja pela proclamação de sua palavra, pela sagrada eucaristia, pelos sacramentos, pelo socorro aos carentes, pelo trabalho missionário. De tudo isso, o dizimista precisa estar sempre informado, é seu direito. Mas certamente, saber que contribuiu para que o pão e o vinho chegassem até o altar no ofertório, para em seguida na consagração serem transformados no corpo e sangue de Jesus Cristo, será o bastante para justificar no sacrifício do Cristo o seu próprio sacrifício de oferecer-se no seu dízimo. O dízimo aponta em seu propósito para quatro elementos como se fossem os quatro  pontos cardeais: para Deus, para o Próximo, para a Criação e para Nós mesmos.

PARA DEUS: O dízimo nos leva a reconhecer seu soberano domínio e os benefícios que vem de suas mãos. Deus é o proprietário do mundo e em particular daquilo que nos concedeu.

PARA O PRÓXIMO: Move-nos a generosidade, a prática da caridade e em muitos casos a vivência da justiça. Tem uma dimensão salvífica (MT 25-31,46). É uma amostra de nossa generosidade que nos faz crescer por dentro, educa no amor e contribui para a verdadeira união entre os membros da comunidade.

PARA A CRIAÇÃO: Leva a nos mostrar livres ante as coisas materiais, como tenentes de Deus na criação. Não se trata de condenar os bens materiais, mas é um convite para que caminhemos sem apegos e sem cair na escravidão do materialismo.

PARA NÓS MESMOS: Move-nos a perceber os valores transcendentes e nossas expectativas de salvação, nos permite ver o irmão necessitado. Permite que nos afastemos do pecado insaciável da ganância.